Número total de visualizações de página

segunda-feira, 20 de maio de 2013

ENTREGA DE DIPLOMAS : CONCURSO SUPER T MATIK DE PORTUGUÊS E ATIVIDADE "O AMOR NA POESIA". ALGUNS MARCADORES DE LIVROS "EM VIAGEM COM O PRINCIPEZINHO E ULISSES" - SL







OFICINA DE ESCRITA - TEXTO POÉTICO

O que é a poesia?

Segundo Alice Vieira,

« A poesia é aquilo que as palavras conseguem levar e depositar no nosso coração. E para que isso aconteça, não é preciso que sejam palavras complicadas, frases elaboradas, rimas perfeitas. (...) É outra coisa. Que não se consegue nomear, mas que se sente. (...)
   E não há uma maneira única de escrever poesia. Há quem através da poesia, conte uma história; há quem recorde um pequeno pormenor que lhe chamou a atenção; há quem evoque cenas familiares; há quem escreva sobre um cheiro ou um olhar; há quem, muito simplesmente, brinque com as palavras e os seus sons.
    Há poemas sobre animais, sobre pessoas, sobre sentimentos, sobre a natureza. Há poemas sobre fadas, sobre pastores, sobre crianças e velhos. Há poemas sobre uma rua, uma casa, sobre uma pedra que de repente se encontra no meio do caminho. Há poemas sobre a tristeza e sobre a alegria. E podemos rir e chorar com eles. Pode-se escrever um poema a propósito de tudo. Não há temas melhores ou temas piores: há a  arte de saber escrever a seu respeito de uma maneira criativa, ou seja, de uma maneira que seja só nossa.»
                            
                          Alice Vieira, O meu primeiro álbum de poesia, Dom Quixote ( com supressões)

Poemas produzidos pela aluna Cíntia, nº3,6ºA:


A Vida

A minha vida é um  abismo fundo

Com um sentimento profundo,

Com tristezas e alegrias

E com muitas antipatias!

Há momentos

Que preferia não ter sentimentos,

Porque me emociono

Como se fosse um abandono!

Sorrir é uma ilusão,

Porque no coração,

Há sempre uma desilusão!

Há coisas que ouvimos e dizemos,

Que raramente esperamos.

Por vezes, precisamos de mudar

Para acariciar e poder amar.

Para poder dar a conhecer

A nossa maneira de viver!

Ter amigos

E inimigos,

É uma maneira de aprender

A conviver!

Pelo simples facto

De ter felicidade,

É como se fosse um cato

Com apenas simplicidade!

Sinceridade

E compaixão,

Com ansiedade

Se dá a revolução!

Simplesmente

É assim que me sinto contente!

Porquê discutir

Enquanto se pode sorrir,


A vida é curta demais

Para andarmos armados em animais,

Sem noção

Daquilo que nos vai no coração!


Cíntia Ferreira Nº3, 6A.
Verdade
As pessoas dizem
Para sermos quem somos,
E redizem
Como se fossemos mordomos!
É que só ouvimos ordens
E desordens,
Como se fosse um momento
Sem um único sentimento.
Gostava de acordar
Sem ninguém com quem falar
Para me poder movimentar
Sem ninguém reclamar.
Queria nascer perfeita
Como se fosse uma receita
Para poder dizer
O que me ocorrer
Sem ninguém se ofender.
A perfeição
É um negação,
É ter simpatia
E estar em harmonia.
Aprender
Faz parte da nossa maneira de viver.
Ignorar
É uma maneira de parar
De me rebaixar
Sem o demonstrar.
Escreve o que sentes
Mas nunca o relembres!
Cíntia Ferreira Nº3, 6ºA


ALFABETO MALUCO


Alfabeto a Rimar


A-Andreia tem uma banheira com uma baleia.

B-Bernardina não é rapaz é menina.

C-Cão pára de mexer no balão.

D-Diogo corajoso apaga o fogo.

E-Eduardo está sempre feito num leopardo.

F-Firmino está sempre a dizer que sabe tocar violino.

G- Gabriel anda sempre com um anel.

H-Helena arma-se que sabe correr como uma hiena.

I-Iguana esta sempre ao pé da sua amiga Joana.

J-João pára de mexer no balão.

L-Leonor cheira bem como uma flor.

M-Miguel que está sempre a pintar com o seu amigo Samuel.

N-Nuno está a jogar uno.

O-Orlando que tem um pé aqui e outro vai andando.

P-Paula que foi assistir à aula.

Q-Queijo que tem o paladar de um beijo.

R-Rodrigo corre mais que o Figo.

S-Samuel cheira mal como o Daniel.

T-Tatiana gosta muito da Ana.

U-Urbano está sempre a falar do seu ano.

V-Vitória vem no final da história.

X-Xilofone está ao pé do telefone.

Z-Zélia tem um pote com uma camélia.

                    Leonor Vitorino, 6ºA
Abecedário Maluco”
A de André que cheira a chulé
B de Bruna que esta sempre no mundo das dunas
C de Carolina que não gosta da Felismina
D de Diana que escorrega numa banana
E de Eduarda que tem suja a sua farda
F de Filipa que bebe vinho da pipa
G de Gabriela que se queimou numa vela
H de Helena que corre como uma hiena
I de Inês que namora um chinês
J de João que sonha ter um cão
L de Leonor que se farta de tocar tambor
M de Maria que caiu com o rabo na pia
N de Natália que detesta a Itália
O de Olga tão depressa trabalha tão depressa tem folga
P de Pedro que anda sempre cheio de medo
Q de Queiroz que nas cuecas tem uma noz
R de Rafaela que e uma bela donzela
S de Sara que tem uma voz muito rara
T de Tatiana que usa a mais uma membrana
U de Urbano que nas calcas tem um pano
V de Violeta que passa a vida a falar na treta
X de Xavier que não gosta de sofrer
Z de Zita que se apaixona por uma chita.
Margarida
6ºA J
                    A B C Sem juízo 
A de André que cheira a chulé
B de Barnabé que nunca anda a pé
C de Carlota que não deixa os esquilos comer bolota
D de Dário que perdeu o canário
E de Elisabete que de uma só vez come uma tablete
F de Firmino que ao lado tem um pepino
G de Gonçalo que tem medo do galo
H de Hugo que em casa tem um texugo
I de Inês que come como um chinês
J de João que ruge como um leão
L de Leonardo que corre como um leopardo
M de Maria que lava o pano na pia
N de Norberto deixa o estojo sempre aberto
O de Olga nuca mais tem folga
P de Paula nunca vai á aula
Q de Quim que namora no jardim
R de Raquel nunca lava o seu pincel
S de Saul que vive no Paul
T de Toni num buraco faz pipi
U de Urbano que se limpa com um pano
V de Vera que adora a pantera
W de Walter que faz exercício com um alter
X de Xavier que namora com a colher
Y de Yohan que toca flauta de pan
Z de Zé que lava a cara no bidé 
JOAQUIM nº 9 e EDUARDO nº7  turma-6ºA


sábado, 18 de maio de 2013

O QUE É UM PROFESSOR?


O que é um professor? E qual a importância dele na minha vida?

      Um professor é alguém que nos ensina a saber, a aprender, a amar e a fazer os outros felizes. A vida é uma grande montanha-russa e são eles que nos ajudam a compreender tudo à nossa volta .
     Todos nós achamos aborrecido ter aulas e ouvir os professores, mas sem ter aulas nunca poderemos passar os obstáculos que o futuro nos reserva, porque, quando nos depararmos com uma dificuldade,  vamos fugir e esconder-mo-nos sem os seus conselhos. São os professores que nos ajudam a enfrentá-los e a derrotá-los, seja a nível cognitivo, seja ao nível social ou pessoal.
      Um professor é um pedaço de todos nós,  um reflexo de humanidade. Um professor é um guia, um mestre e um amigo.
       Infelizmente, alguns nunca puderam ter um  e tiveram de aprender a viver sozinhos. Quando se nasce, ninguém vem ensinado, costuma dizer a minha Diretora de turma, para nos relembrar que todos aprendemos, crescemos e melhoramos. Também ninguém nasce a saber amar. São coisas que nós descobrimos e aprendemos com a ajuda dos professores e da família.
        Devíamos  orgulhar-nos de dizer que temos e tivemos alguém que nos ensinou a viver, porque há tanta gente que, neste momento, está a sofrer as consequências de nunca ter podido ter um professor…Por isso , é que devemos dizer obrigado a Deus por termos aquilo que temos.
        E estas palavras todas não são mais nem menos que um desabafo, mas também um reconhecimento. Crescer é fácil, difícil é saber como! Obrigado, professores...!

Bruna Fonseca
Nº 2  6A



sexta-feira, 1 de março de 2013

“O amor na poesia”




                                     "O amor na poesia"





 
 



 



   No dia 14 de fevereiro, dia dos Namorados, alguns alunos da turma do 6.ºA e a sua D.T., professora Rogélia, fomos declamar poemas pela bela vila do Tortosendo.

   Em primeiro lugar, fomos ao Lar de idosos, pois dia 12 de fevereiro tinha sido o Dia do Doente... Foi uma experiência maravilhosa, pois o contacto com os idosos foi muito positivo. Podermos ouvir a história de vida deles, as suas velhas memórias, enfim…é sempre emocionante. Perceber que eles se sentiram bem com as nossas palavras, com o nosso carinho, é reconfortante!

   De seguida, dividimo-nos em dois grupos e fomos a vários sítios, como por exemplo: a Gráfica do Tortosendo ou até mesmo o talho, o bar "O forno" e o café dos Unidos.

   Na minha opinião, foi uma atividade muito estimulante que se devia repetir todos os dias.

   Afinal, a leitura pode mudar a nossa vida, ler é viver!

Maria Madeira,

6.ªA
                                       “O amor na poesia”
        Durante a aula de português, percorremos, no dia 14 de fevereiro, o Tortosendo, com poemas de amor, pois  hoje era o Dia dos Namorados e este dia não pode ser levado em  vão, porque é o amor que nos faz sorrir todos os dias. Tínhamos uma missão: mostrarmos o que é o Amor. Espalhar palavras de Amor pela vila.
        Primeiro fomos o Lar da 3ª idade. Vários poemas  foram recitados e, no  fim, fomos falar com os idosos para saber a história deles, porque cada um tem uma história de amor por contar, todos temos o amor da nossa vida. Ouvi várias histórias e descobri que é o amor que os faz felizes, adorei.
        Logo depois, fomos a cafés, ao talho, à gráfica e à sala de professores na escola. Todas as pessoas com quem falei tinham vários pontos de vista sobre o que é o Amor, mas, no final, todos diziam o mesmo: que é o amor que nos faz levantar de manhã. Eu também acho! E vocês.?Também é o amor que vos motiva, logo pela manhã, a olhar em frente?
Agora sim, a nossa missão foi bem sucedida!                   
                                                                                                  Bruna Fonseca
                                                                                                        6A    Nº2
 
 
                               Espalhar magia e amor...
 
   Esta declamação pela vila foi muito divertida! Começamos pelo lar de idosos e eles eram muito educados e bons ouvintes. Eu, juntamente com o meu amigo Eduardo, declamamos: «O Amor é fogo que arde sem se ver» de Luís Vaz de Camões. Estivemos lá a falar com alguns idosos e foi muito engraçado.
   De seguida, fomos ao +1 café e também foi  muito interessante. Depois, eu, o Luís, o Rodrigo e o Eduardo fomos ao cabeleireiro e ela deu-nos alguns conselhos.
   De imediato, fomos ao escritório do primo do Rodrigo e, no final, fomos ao café - bar O Forno, onde o empregado tinha o mesmo nome que eu.
   Esta experiência foi magnífica e encantadora. Viva a Poesia!
 
                                                                                 Marco Costa, 6ºA, º13

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Em 2013, direi Sim, Não ou Talvez?


Sim, não e talvez

 

    Vou dizer Sim a 2013 e a um novo começo, a uma nova história, a uma nova vida.

   Vou dizer Não ao passado e Sim ao presente, vou dizer Sim a um futuro melhor, e dizer Não à pobreza e dor.

   Vou dizer Sim a quem me faz sorrir e dizer Não a quem me quer deitar abaixo, vou dizer Sim à alegria, à paz e ao amor, e dizer Não à infelicidade, à tristeza e violência. Vou dizer Sim a quem faria tudo por mim, nem que desse a vida, mas que faria qualquer coisa para me ver bem. Vou dizer Sim às pessoas importantes e dizer Não a quem não presta, a quem faria tudo só para me ver mal e a quem me faz sofrer. Vou dizer Sim à saudade, mas digo Não ao sofrimento Sim, digo Sim à saudade, porque a saudade faz-nos refletir no que nos faz falta e nos é importante.

     Vou dizer Sim ao sorriso que me ofereces, e Não ao cigarro que me dás, só para me estragares a vida. Preocupa-te porque a vida é Agora!

     Sim, vive a vida como se amanhã não voltasses, mas pensa também que no futuro poderás sofrer as consequências por coisas erradas do passado.

     E da crise não irei falar, porque essa categoria não merece mesmo a minha importância.

    Talvez, não digo, porque o Talvez para mim não tem significado, talvez para mim não existe...nunca digas Nunca.

 

Diana Alves 7ºC

Sim, Não e Talvez...


“Sim, Não e Talvez”

  Neste novo ano, irei dizer “Sim, Não e Talvez”. Para mim o “Talvez” não é uma resposta, porque é uma incógnita, quem me conhece sabe que comigo as coisas têm de ser bem claras: “Sim” ou “Não”.

  Darei um “Sim” à minha família, porque é quem mais me apoia sempre que vou “abaixo”; “Não” à crise Portugal; Dou de novo “Sim” aos meus amigos que são a minha segunda família; “Não” ao abandono; “Sim” ao respeito; “Não” à crueldade; “Sim” à bondade e simpatia; “Não” à violência; “Sim” ao emprego; “Não” às burlas, pois nesta fase da vida há sempre pessoas que enganam outras; “Sim” à escolaridade obrigatória; “Não” à troika; “Sim” à fé, à nossa religião; e, por fim, um “Não” à pobreza.

  Sei que não é para responder indicando um “Menos”, mas vou acrescentar, um “Menos” aos impostos, aumentos, porque neste momento é o que mais preocupa o nosso país. Há muita gente a passar fome, só para pagar as despesas…

 Márcia  Fernandes, 7ºC

 

RESOLUÇÕES PARA 2013...



“ Resoluções para 2013”


       3,2,1… E começa um Ano Novo cheio de esperança e bonança.

       Gostaria que este ano melhorasse: a crise política e também  que todos pudéssemos ter uma vida estável e segura, que os mais necessitados e os sem abrigo tivessem um lar acolhedor e seguro; Que as mentes humanas despertassem para colaborarmos e nos ajudarmos uns aos outros, pois duas cabeças pensam melhor que uma só. De facto, se talvez juntássemos todas as nossas ideias numa só, resolveríamos todos os problemas … E sei que é impossível, mas, e se tentássemos?

        Só espero que tudo se resolva o mais rápido possível, porque, cada vez mais há mais pessoas egocêntricas, invejosas e cruéis e há poucas que têm um coração bondoso, esperançoso e solidário para com os outros.

         Estes são os meus possíveis desejos para 2013 e espero que todos se realizem!

                               

                                  Trabalho escrito por:
Beatriz Saraiva, 7ºC