Número total de visualizações de página

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

ABYSSUS, ABYSSUM, Trindade Coelho







ENTREVISTA POSSÍVEL À MÃE DOS MENINOS DESAPARECIDOS NO RIO, Por Leo Gonçalves (7ºC) (Português do Brasil):
«Vamos em directo entrevistar a mãe dos dois meninos que desapareceram no rio...
-Cá estamos nós, na casa dos meninos que desapareceram.
Bom dia, minha senhora! Estamos querendo saber mais sobre o desaparecimento dos meninos. Sabe-nos dizer o que aconteceu com eles?
-Sim...Aconteceu que eles gostavam muito do rio..estavam sempre a olhar para ele da janela do quarto...Mas ele era perigoso e eu, com medo, proibi-os de ir ao rio. Mas eles me desobedeceram e foram para lá...aquele barco sempre foi uma tentação! Eles não voltaram mais...É tudo o que sei.
-A Senhora sabe se o policia descobriu mais alguma coisa?
-Não sei, não...
- Obrigado pela entrevista.
Esta foi a entrevista possível, a uma mãe devastada pela tragédia do desaparecimento de seus filhinhos. »
Entrevistas imaginárias à mãe dos rapazes do conto Abyssus, Abyssum, Trindade Coelho
A Maria do Rosário, 7ºC, propõe:
«-Bom dia, estamos aqui em Póvoa de Leiria, em directo com a mãe dos meninos que desapareceram esta tarde no rio...
- Minha senhora, como se chama?
-Maria Alcinda...
-Sabe de algum motivo que terá levado os meninos a desaparecerem?
- Não, não sei ...eles eram muito curiosos! Só sei que eles hoje de manhã estavam um bocado estranhos, mas não me veio à cabeça que eles pudessem desobedecer-me e fazer uma coisa destas! Aventurarem-se sozinhos no rio...Ai que desgraça!
-E as buscas continuam a decorrer, certo?
- Sim, continuam e só espero que os encontrem...Estou muitissimo preocupada com os meus filhinhos!
-Bem como puderam ver ainda não foi possível encontrar as crianças desaparecidas no rio, a mãe continua muito aflita e nós deixamos aqui um apelo: se encontrarem alguma pista dos rapazes é favor contactarem as entidades responsáveis ou mesmo a nossa estação de televisão.
Muito obrigado, daremos mais informações logo que seja possível. »