Número total de visualizações de página

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

OS LIVROS

Os livros.

A sua cálida, terna, serena pele.
Amorosa companhia.
Dispostos sempre a partilhar o sol das suas águas.
Tão dóceis,tão calados, tão leais.
Tão luminosos na sua branca e vegetal e cerrada melancolia.
Amados com nenhuns outros companheiros da alma.
Tão musicais no fluvial e transbordante ardor de cada dia.

Eugénio de Andrade

MIA COUTO, MOÇAMBIQUE

Mia Couto

– Pseudónimo de António Emílio Leite Couto – nasceu na Beira, Moçambique, a 5 de Julho de 1955. É um dos escritores que melhor traça linhas no branco, das que falam em português e nas outras. Expõe-se em cada livro: põe o coração do lado de fora. Pinta-nos a cara. Com palavras, estica-nos a boca até ao sorriso – com ou sem lágrimas.A mão dada à oralidade, o tacto, o perfume dos seus livros, as imagens nas palavras, fazem-no um dos melhores contadores de estórias a respirar.Mia Couto – pseudónimo de António Emílio Leite Couto – nasceu na Beira, Moçambique, a 5 de Julho de 1955. É um dos escritores que melhor traça linhas no branco, das que falam em português e nas outras. Expõe-se em cada livro: põe o coração do lado de fora. Pinta-nos a cara. Com palavras, estica-nos a boca até ao sorriso – com ou sem lágrimas.A mão dada à oralidade, o tacto, o perfume dos seus livros, as imagens nas palavras, fazem-no um dos melhores contadores de estórias a respirar.

VALE A PENA LER A SUA OBRA !...EIS ALGUNS DOS LIVROS DA MINHA PREFERÊNCIA E JÁ ABORDADOS NO CLUBE:

* O GATO E O ESCURO :)

* MAR ME QUER :)

* TERRA SONÂMBULA :)

MAR MEU ... dar voz à Lusofonia ^^)

Mar Meu, Xanana Gusmão

O que faz a estrada andar?
É o sonho
Enquanto a gente sonhar
A estrada permanecerá viva
É para isso que servem os caminhos
Para nos fazermos parentes do futuro.

O direito à liberdade é a voz mais funda e mais antiga da condição humana. Xanana Gusmão conquistou-o, mesmo no exílio da prisão, de onde sempre entreviu o mar, com o olhar de esperança que encurta distâncias e anula barreiras.
O mar é a estrada que une.
O céu, a dimensão da vontade infinita de mudar a face do mundo, de Angola a Timor.